35% das salas de vacinação no país precisam 'abandonar' carteirinha de papel e adotar novo sistema digital

Como o Brasil vai controlar, de fato, o avanço da febre amarela? Ou por que o sarampo, que tem vacina disponível no calendário de vacinação para todas as crianças há anos, também ressurgiu? As respostas para essas perguntas estão longe de serem simples, mas todas elas passam por um bom registro de vacinação - de preferência, digital - e pela capacidade do governo de saber exatamente quem tomou ou deixou de tomar a vacina.