Moradores insistem em morar nos vilarejos destruídos pela lama de Mariana

"Eu sou nascido, vivido e convivido aqui. Quando a pessoa é nascida, vivida e convivida em um lugar, é difícil ela sair dele". É assim que o agricultor João Elói da Silva, de 64 anos, explica porque deixou a família em Mariana 48 dias depois do rompimento da barragem de Fundão para voltar para o distrito de Paracatu, que foi engolida pela lama.